skip to Main Content
21 3282-5071 / 3251-4761 monicacabral@monicacabral.com.br
endocrino-monicacabral_base-colesterol

Conhecendo a Dislipidemias

Dislipidemias, também conhecidas como hiperlipidemias ou hiperlipoproteinemia, estão relacionadas com o aumento de lipídios (gordura) sanguíneos, especialmente do colesterol e triglicerídeos (TGs), o que predispõe ao aparecimento da aterosclerose (depósitos de placas de gordura).

Os lipídios são moléculas de gordura, transportadas numa cápsula de proteína, sendo que a densidade dos lipídios e o tipo de proteína é que determinam o destino dessa partícula. As gorduras são obtidas dos alimentos (30%) ou são formadas em nosso próprio corpo (70%), especialmente no fígado podendo ser armazenadas nas células adiposas para uso posterior. Os lipídios são componentes essenciais das membranas celulares, das bainhas de mielina das células nervosa e da bile.
As dislipidemias podem ter duas causas:

  • Dislipidemias primárias: estas são de origem genética, mas fatores relacionados com hábitos de vida, como por exemplo, sedentarismo e os hábitos alimentares podem funcionar como desencadeantes para seu surgimento.
  • Dislipidemias secundárias: pode ter origem a partir de outras doenças, como diabetes mellitus, obesidade, hipotireoidismo, insuficiência renal, síndrome nefrótica, doenças das vias biliares, síndrome de Cushing, anorexia nervosa e bulimia, associado ao uso de fármacos, como diuréticos em elevadas doses, β-bloqueadores, medicamentos de tratamento de acne, terapia de resolução hormonal, anticoncepcional oral, entre outros.

Os sintomas gerados pelas dislipidemias são diversos, dentre eles estão: arteriosclerose, angina pectoris, infarto do miocárdio, acidente vascular cerebral, insuficiência vascular periférica, entre outros. No entanto, muitos casos de dislipidemias são assintomáticas e suas consequências também são sérias. Por esses motivos, pacientes que estão dentro da classificação da Associação Médica Brasileira devem se precaver e realizar exames de rotina.

O risco de arteriosclerose é avaliado através da análise dos fatores de risco causais Entre esses fatores estão:

  • Fumo;
  • Hipertensão arterial sistêmica;
  • Colesterol HDL-C (“colesterol bom”) menor que 40 mg/dl;
  • Diabetes;
  • Idade (maior ou igual a 45 nos homens, maior ou igual a 55 para as mulheres);
  • Histórico familiar.

A dosagem de colesterol total e suas frações é o elemento básico para o seu diagnóstico. Raras vezes podem surgir problemas de pele resultantes da dislipidemia, como xantelasmas e os xantomas.

Diversos fármacos são indicados para o tratamento das dislipidemias. As vastatinas ou estatinas são recomendadas para reduzir o LDL-C (“colesterol ruim”) em adultos. O uso desses medicamentos reduz os eventos coronários isquêmicos e a necessidade de revascularização do miocárdio.
A colestiramina é recomendada para crianças e como coadjuvante nos tratamentos com as vastatinas. Todavia, não pode ser usada nas dislipidemias por hipertrigliceridemia. Neste último caso, o recomendado é o tratamento à base de fibratos, que reduzem o risco de eventos coronarianos em homens, aumentam o HDL-C e reduzem o TGs.

Como nem sempre é possível prevenir essa condição por apresentar também causas genéticas, recomenda-se uma mudança na dieta. A terapia nutricional se faz necessária para evitar o consumo excessivo de gordura e o conseqüente acúmulo de lipídios nas paredes vasculares. Entre as recomendações alimentares estão: redução dos alimentos de origem animal, os óleos de coco e dendê, maior ingestão de alimentos com Ômega-3 (peixes de água fria e óleos de soja e canola) e ingestão de vegetais e fibras solúveis. Como o sedentarismo também é um fator predisponente da dislipidemia, a prática regular de exercícios físicos previne a formação de placas de gordura, melhora a condição cardiovascular, diminui a obesidade e o estresse e influencia positivamente a pressão arterial. Outra medida importante é o combate ao tabagismo.

arteria-estreita-placa
valores-normales-de-trigliceridos-y-colesterol

10 Coisas que Você Precisa Saber

  1. Nos dias atuais – onde predominam o sedentarismo; alimentação rica e abundante em gordura e açúcar livre; a obesidade; o estresse; e o tabagismo – os estudos têm mostrado que as placas de gordura nas artérias (circulação) começam muito cedo. A estimativa é de que, aos 20 anos, cerca de 20% das pessoas estarão afetadas de alguma forma. Os eventos finais deste processo, infarto e derrame, são as maiores causas de mortalidade.
  2. O diagnóstico da dislipidemia é feito, laboratorialmente, medindo-se os níveis plasmáticos de colesterol total e suas frações (LDL-colesterol ou “colesterol ruim” e o HDL-colesterol ou “colesterol bom”) e triglicérides.
  3. O risco de aterosclerose coronariana aumenta, significativamente, em pessoas com níveis de colesterol total e LDL acima dos patamares da normalidade. Para colesterol HDL, a relação é inversa: quanto mais elevado seu valor, menor o risco.
  4. Níveis de colesterol HDL maiores do que 60 mg/dL caracterizam um fator protetor. Já os níveis de triglicérides maiores do que 150 mg/dL elevam o risco de doença aterosclerótica coronariana. Os níveis desejáveis de LDL-colesterol variam para cada paciente, que devem ser avaliados individualmente em relação à história pessoal, familiar e a presença de fatores de risco para doença cardiovascular.
  5. A redução das taxas de LDL-colesterol para os níveis desejados, particularmente pelo emprego de estatinas (quando indicado tratamento medicamentoso) é o que tem demonstrado maior benefício na prevenção e diminuição de mortalidade cardiovascular na população geral.
  6. Algumas formas de dislipidemia , como a hipertrigliceridemia acima de 400 mg;dl, podem predispor à pancreatite aguda,
  7. Existem 2 tipos de dislipidemias, as primárias e as secundárias. As primárias são de causa genética. As secundárias podem ser decorrentes de outras doenças – o diabetes descompensado, por exemplo – e também podem ser originadas pelo uso de medicações – diuréticos, betabloqueadores e corticoides. Situações como o alcoolismo e uso de altas doses de anabolizantes também podem alterar o perfil lipídico.
  8. A obesidade tem influência significativa no metabolismo lipídico e deve ser encarada como importante fator na sua interpretação e tratamento.
  9. Pessoas com diabetes tipo 2 têm maior prevalência de alterações do metabolismo dos lipídios. Assim, o tratamento da dislipidemia nesses pacientes pode e deve ser mais agressivo, a fim de reduzir a incidência de eventos coronários fatais.
  10. Uma dieta hipocalórica, pobre em ácidos graxos saturados e colesterol, é fundamental para o tratamento da dislipidemia. A atividade física moderada, realizada durante 30 minutos, pelo menos quatro vezes por semana, auxilia na perda de peso e na redução dos níveis de colesterol e triglicérides. Cabe ao medico a avaliação do custo x beneficio e as indicações do uso de medicações e explicar ao paciente a abordagem mais recomendada.
DAOP-dr-daniel-benitti-cirurgiao-vascular-1024×839
Curso-de-dislipidemia-e-prevencao-da-aterosclerose
Back To Top
Pesquisar